Capitalismo naturalista e modo de produção capitalista

crítica ao pensamento de Eugênio Gudin

  • Maria Angélica Borges
  • João Ildebrando Bocchi
Palavras-chave: Eugênio Gudin, liberalismo, pensamento conservador

Resumo

Este artigo examina a produção teórica de Eugênio Gudin, que expressa sua nova postura liberal e destaca sua oposição a Roberto Simonsen, à teoria do desenvolvimento econômico da Cepal, ao marxismo e seus seguidores. Gudin reconheceu Karl Marx como o maior inimigo do capitalismo. Ele atribuiu ao pensador alemão a criação do conceito de capitalismo com conotações históricas. Negando radicalmente esse conteúdo e equilibrando a concepção do caráter natural e eterno desse sistema, apresentou o capitalismo como um sistema de produção que se conecta harmonicamente à democracia. Trabalhou com o par economia de mercado e democracia como uma antítese do planejamento e do totalitarismo, estruturando um discurso que enfatiza o plano geral abstrato, desconsiderando uma análise histórica concreta de cada caso específico. Consequentemente, todo aspecto que não se encaixa nesse par é considerado antidemocrático e intervencionista, como uma negação equivalente do ideal humano, às vezes que deve ser evitado ou mesmo destruído.

Biografia do Autor

Maria Angélica Borges

Doutora, professora titular da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).

João Ildebrando Bocchi

Doutor, professor titular Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).

Publicado
2019-11-26
Seção
Dossiê Pensamento conservador brasileiro do século XX