Há 50 anos, um acontecimento marcaria indelevelmente a história brasileira, modificando todo o seu curso
daí em diante. Inobstante a descaracterização feita, entre outros, pelos adeptos da teoria do populismo – que
resumem o pré-64 a uma grande manipulação das massas trabalhadoras levada a cabo pela burguesia –, o Brasil vivia no início dos anos 1960 um momento inédito. Marcada pela autocracia – institucionalizada, quando possível; bonapartista, sempre que necessário –, a formação social brasileira via surgir, então, o historicamente novo, embora frágil e débil, mais uma possibilidade do que uma efetividade: as classes trabalhadoras urbanas, e também do campo, relativamente organizadas, propondo alternativas teóricas e práticas para redefinir o futuro da nação.

Publicado: 2014-04-01

Artigos fluxo contínuo

Editorial